Lombalgia aguda é mais comum em pessoas acima do peso

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Especialista explica que a obesidade é um fator agravante para a dores nessa região da coluna 

Posturas inadequadas, falta de atividades físicas, uso excessivo de cigarro, mas acima de tudo o excesso de peso. Essa é a fórmula dos maus hábitos que levam as pessoas a enfrentar as dores na coluna lombar, segundo o ortopedista e especialista em tratamento da coluna, Dr. Rogério Vidal. O médico explica que a lombalgia, que se refere a qualquer tipo de dor lombar, é um diagnóstico clínico que pode ou mão estar relacionada a uma causa ortopédica. “Muitas vezes o paciente pode não ter nenhum problema, mas uma dor muscular pode ser considerada uma lombalgia e é preciso identificar a causa para se adotar as medidas adequadas para tratar o problema”. 

O ortopedista, Rogério Vidal, explica que pessoas que trabalham em atividades que exijam esforço físico têm mais probabilidade de desenvolver uma lombalgia.  “O que pode acontecer são hérnias de disco em função da postura inadequada no exercício da atividade, gerando um desgaste maior e a na região lombar”.

Mas para quem não tem esse tipo de atividade, a obesidade e o sedentarismo surgem como fatores importantes que levam à lombalgia. A obesidade pode trazer ainda sérios danos para a coluna e causar um problema crônico e que vai exigir intervenções mais invasivas. “Quando a pessoa possui um abdômen volumoso, acaba forçando a coluna para frente e com isso,  perde a postura correta. Os músculos são forçados a manter o equilíbrio e sofrem uma sobrecarga que gera desgaste articular e dor”, explica Vidal. 

Aliás, quando se fala de postura, é preciso observar bem os hábitos do paciente, entender como ele pratica suas atividades e se essa rotina pode acarretar danos. Até na hora de dormir é preciso ter atenção.  “A postura é algo muito relativo, porque existem pacientes que sentem dor ao ficar de lado na cama, com a barriga para cima e até mesmo de bruços. Para termos uma noção sobre como isso varia, existem pacientes que se sentem confortáveis em pé. Então é preciso achar a postura ideal de cada um e determinar o tipo de tratamento indicado para aquele paciente”, explica o médico. 

No inverno, as baixas temperaturas podem aumentar as dores lombares

O Dr. Rogério Vidal explica que no frio costumamos assumir uma postura de contração dos músculos, dos braços e aumentamos a curvatura fisiológica da coluna dorsal (corcunda), para mantermos o calor do corpo. Segundo o médico, o frio provoca uma natural contração muscular, deixa músculos e articulações mais rígidas e isso facilita as inflamações dos nervos.  A circulação também diminui para que o organismo possa preservar a temperatura por volta de 36,5 graus e isso diminui a produção de líquido sinovial levando ao enrijecimento articular e a dor. “No inverno costumamos contrair mais nossos músculos. É um comportamento natural e um movimento, às vezes, involuntário que fazemos quando nos deparamos com temperaturas mais baixas. É aquela encolhidinha de ombros, por exemplo, quando saímos de um ambiente fechado e está muito frio”, finaliza Vidal.

JÁ VAI EMBORA?

Assine nossa news para ficar informado sobre nossas novidades.

Open chat